Estudar num país que não é o nosso

by - 30 novembro


A decisão
Não é de ânimo leve que se decide estudar fora da nossa cidade, mas o caso muda um pouco de figura quando decidimos estudar fora do nosso país. Há todo um misto de sentimentos até tomar a decisão final, aquela que já não nos dá retorno. Desisti da ideia umas quantas vezes, mas lembrava-me sempre da hipótese de um dia pensar nesta experiência como algo que devia ter feito e não fiz. Esta hipótese foi o empurrão final para me dizer que sim, tinha de ir.

Porquê Erasmus
Quando entrei para a faculdade, eram várias as vozes que me diziam "não sei se vale a pena tal investimento" ou "arquitectura? mas isso não dá nada em portugal". Sim, têm razão, ainda hoje não sei se tal investimento valerá a pena, nem sequer sei se terei trabalho quando terminar a tese, mas sei que terei mais hipóteses do que aqueles que ouviram este tipo de vozes. Fazer Erasmus é a mesma, coisa; é um investimento que não sei se valerá a pena, mas certamente inflacionará o interesse de alguém pelo meu currículo e pelo meu percurso académico, mesmo que isso não seja um dado adquirido.

Como escolhi o sítio
"Itália" sempre foi a única resposta que sabia quando me perguntavam para onde iria. Não sabia bem para onde em concreto, mas não iria para mais lado nenhum fora de Itália. Primeiro, porque tinha de ser dentro da Europa e nada que fosse muito diferente da nossa cultura, nada que me provocasse um choque demasiado grande. Depois, após uma breve pesquisa no ranking das melhores faculdades de arquitectura do mundo, percebi que a minha estadia seria em Milão, concretamente no Politecnico di Milano. Dito e feito, cá estou eu.

O processo
Decidir que se vai de Erasmus é fácil. O difícil – pelo menos na minha faculdade – é oficializar a intenção de ir para fora e esperar pelas colocações. O processo não é nada de extraordinário, mas leva tempo. Primeiro, há que ter mais do que uma opção para a candidatura Erasmus. Após as colocações, há que preparar o Learning Agreement, que é o plano de estudos que pretendemos fazer na instituição que nos acolherá, e rezar para que seja aprovado tal como queremos. Depois, para finalizar, existe toda uma papelada a ser entregue antes de partirmos, mas que muda consoante as faculdades. Nada de difícil, portanto.

A experiência
Difícil e terrivelmente difícil para quem nunca saiu de casa, mas nunca insuportável. Não me interpretem mal - eu estou a adorar! - mas nunca pensei que fosse tão difícil deixar a minha casa e os meus. Para alguém que está habituado a chegar a casa e ter três cadelas felizes por me ver, uma mãe com o almoço pronto, três irmãos a alegrar a casa e um pai cansado mas feliz, não pode deixar de ser difícil. Mais ainda, deixei em Portugal o meu namorado, que estava habituada a ver todos os dias e agora passei a ver apenas através de uma webcam. É um misto de sentimentos. Vejo os dias a passar e se, por um lado, fico feliz por estar quase a ir a casa, por outro fico triste porque é sinal que a experiência Erasmus vai terminar.

Como é Milão
Milão não é, de todo, aquela cidade onde toda a gente quer fazer Erasmus. A maioria dos estudantes faz Erasmus pelas viagens e não tanto pela formação, mas eu escolhi a cidade pela formação e essa é a questão em que Milão vale completamente a pena. Enquanto cidade, se for para fazer Erasmus a sério, muita gente desiludir-se-ia porque chega a uma altura que deixa de ser novidade, mas Milão é uma cidade perfeita para viver. É cidade pura, a verdade é essa, há confusão e barulho durante todo o dia, mas vive-se muito bem por aqui - e fala-vos a pessoa que sempre viveu no meio do campo.

Vale a pena?
Tudo vale a pena se nos acrescenta algo, mais que não seja experiência de vida. Estar longe do nosso país torna-nos mais desenrascados e autónomos, isso é mais do que certo. Se, por acréscimo, ainda nos acrescenta algo à formação académica e ao currículo, melhor ainda. Por isso, sim, esta experiência vale mesmo a pena.

You May Also Like

1 comentários

  1. Vou de Erasmus em Fevereiro e estou super ansiosa!! E sim, tens tanta razão quanto à burocracia, parece que nunca acaba ...
    Estarei muito perto de Milão (em Varese), neste momento só me falta mesmo arranjar casa ... também tiveste problemas com isso? :)

    http://lavitainrosaa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar